Segunda Opinião Formativa (SOF) na Telemedicina (2022)
Segunda Opinião Formativa (SOF) na Telemedicina (2022)
Paulo Miranda
Paulo Miranda
Compartilhe
Índice de Conteúdo

Você sabia que pode contar com a segunda opinião médica online pelo SUS? Ele oferece uma plataforma interativa onde você médico/profissional de saúde pode recorrer de forma prática e simples a recursos para tirar suas principais dúvidas da rotina.

Então confira um pouco mais desse artigo, aprenda como pode se dispor desse apoio  da Segunda Opinião Formativa, proveniente de uma rápida e eficaz tecnologia que a telessaúde promove,conectando diversos profissionais,auxiliando em aspectos como: 

  • Saúde da mulher,
  • Saúde bucal,
  • Diagnósticos,
  • Saúde mental,
  • Apoio ao Tratamento,
  • Cuidados em enfermagem entre outros.

Além de um apoio para poder sanar de forma fácil as principais dúvidas decorrentes da rotina do atendimento em saúde,tudo isso baseado em apoio de evidências científicas com outros especialistas.

Quando pedir uma segunda opinião médica?

Sabemos o quão desafiador pode ser a medicina, ainda mais se tratando da atenção primária, onde podem ser elencadas um número muito grande e divergente de patologias que muitas vezes tornam muito difícil o contexto de investigação, protocolos e condutas. 

É nesse contexto que surge a segunda opinião formativa (SOF), onde se encontram através dela os principais desafios e soluções na Atenção Primária à Saúde (APS), originadas de teleconsultorias que tratam dos assuntos mais relevantes e as dúvidas mais recorrentes.

Por meio desse importante recurso muitas vezes até desconhecido pela comunidade médica podem ser sanadas diversas dúvidas dos trabalhadores da saúde, por exemplo se além de favorecer uma gama de resoluções de diversas situações com base em casos e situações semelhantes.

O que é a Segunda Opinião Formativa (SOF)?

Levando-se em conta isso podemos definir a Segunda Opinião Formativa (SOF), no contexto da BVS APS é uma fonte de informação que apresenta como conteúdo as principais dúvidas e respostas baseadas em boa evidência científicas, relacionadas com os  problemas prioritários mais comuns e rotineiros encontrados  na atenção primária à saúde (APS).

A segunda opinião médica foi originada em decorrências de teleconsultorias que tratam dos assuntos mais relevantes para o SUS, trazendo consigo a possibilidade de responder às dúvidas e necessidades de outros trabalhadores da saúde, tendo em vista a ampliação da capacidade resolutiva em casos ou situações semelhantes.

A segunda opinião médica online são elaboradas pelos Núcleos de Telessaúde (NT) seguindo uma estrutura definida que organiza o conteúdo, passam por um processo de revisão por um profissional com experiência na APS, e/ou especialistas em Medicina de Família e Comunidade (MFC), e as SOF aprovadas são indexadas e publicadas na Biblioteca Virtual em Atenção Primária à Saúde.

Mas é sempre importante lembrar que a segunda opinião médica é decorrente de uma Teleconsultoria, mas nem toda gera uma SOF.

Quais são os temas abordados na SOF

As áreas temáticas das segunda opinião médica online abrangem perguntas ou dúvidas da Atenção Primária à Saúde/Atenção Básica relacionadas com:

Apoio ao Diagnóstico

  • Determinação da natureza de uma doença ou estado, ou a diferenciação entre elas, a avaliação pode ser feita através de exame físico, exames laboratoriais, ou similares. 
  • Diferença entre uma doença e outra, 
  • Exame físico, 
  • Exames laboratoriais, 
  • Rastreamento,  
  • Análise de amostras / resultados,
  • Como identificar uma doença,
  • Identificação de casos,
  • Propedêutica, 
  • Anamnese entre outros.  

Apoio ao Tratamento

  1. Ação e medidas terapêuticas, 
  2. Procedimentos curativos,
  3. Procedimentos de Terapia,
  4. Procedimentos de Tratamento,
  5. Além de apoio, qual o melhor tratamento para doença específica? 
  6. Qual a dose?, Qual medicamento?  Quando iniciar um tratamento?  Como tratar tal doença?  
  7. Interação entre medicamentos,  
  8. Eficácia de medicamentos, tratamentos,
  9. Reações adversas
  10. Medicamentos/tratamentos entre outros.

Cuidados de Enfermagem

  • Apoio aos cuidados prestados ao paciente pela equipe de enfermagem,
  • Atenção Primária de Enfermagem,
  • Cuidados básicos de enfermagem,
  • Cuidados elementares de enfermagem,
  • Cuidados primários de enfermagem, 
  • Enfermagem Básica,
  • Enfermaria Primária etc.

– Cuidados Primários de Saúde

Auxílio na assistência sanitária essencial baseada em métodos e tecnologias práticas, cientificamente fundados e socialmente aceitáveis, postos ao alcance de todos os indivíduos e famílias da comunidade mediante a sua plena participação e a um custo que a comunidade e o país possam suportar.

Em todas e cada etapa do seu desenvolvimento, com um espírito de auto responsabilidade e autodeterminação. Com atuação na: 

  • Atenção Primária de Saúde,
  • Atenção Básica.

– Processo de Trabalho na APS

Apoio com Administração de Serviços de Saúde – organização dos serviços de saúde com vistas à manutenção e melhoria da qualidade da atenção prestada, utilizando instrumentos técnicos e metodológicos como o planejamento e a avaliação das estratégias adotadas. 

  • Gerência de Serviços de Saúde,
  • Gestão de Serviços de Saúde,
  • Formulários, 
  • Sistemas de controle,
  • Tarefa de quem? 
  • Qual é o papel da equipe/membros?  
  • Como organizar?  
  • Quem é o responsável? 
  • Além de Organização de visitas/ consultas/ serviços/ processos.

– Promoção da Saúde 

Processos de capacitação do indivíduo em melhorar e controlar sua saúde. Para alcançar o estado de completo bem-estar físico, mental e social, um indivíduo ou grupo deve ser capaz de identificar aspirações, satisfazer necessidades e mudar ou lidar com seu ambiente. 

Saúde é vista, portanto, como um meio de vida e não um objetivo. Política de promoção de saúde envolve abordagens diversas, mas complementares, levando em conta as diferenças sociais, culturais e econômicas de cada país

– Saúde Bucal 

  1. Ações de promoção da saúde bucal,
  2. Problemas que afetam a saúde bucal,
  3. Ações de cuidado para a saúde bucal.

– Saúde da Criança 

  • Saúde infantil,
  • Saúde das crianças,
  • Saúde pediátrica, 
  • Todos os tipos de transtornos/problemas que afetam a saúde da criança,
  • Ações de promoção da saúde da criança,
  • Ações preventivas, saúde da criança.

– Saúde da Mulher 

  • Saúde da mulher,
  • Saúde feminina,
  • Todos os tipos de transtornos/problemas que afetam a saúde da mulher, 
  • Ações de promoção da saúde da mulher,
  • Ações preventivas à saúde da mulher.

– Saúde do Idoso 

  1. Saúde da Pessoa Idosa,
  2. Saúde da Terceira Idade, 
  3. Caderneta de Saúde do Idoso,
  4. Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa, 
  5. Todos os tipos de transtornos/problemas que afetam a saúde do idoso, 
  6. Ações de promoção da saúde do idoso e Ações preventivas – saúde do idoso.

– Saúde do Jovem e Adolescente 

Enfoca o crescimento e desenvolvimento, doenças dermatológicas e emocionais, enfermidades do aparelho circulatório, moléstias infecciosas e parasitárias e até a violência entre adolescentes. 

Com ênfase na sexualidade, aborda três perspectivas: 

  • Amadurecimento biológico para reprodução, 
  • Aspectos psico-emocionais envolvidos com o exercício da sexualidade e os ‘riscos’ oriundos da prática sexual. 

Tem como apoio a ação de equipe multidisciplinar (médico, enfermeiro, assistente social, nutricionista). 

– Saúde Mental :Todos os tipos de transtornos mentais,Ações de promoção da saúde mental e Ações preventivas de saúde mental 

– Sinais e Sintomas :

Manifestações Clínicas,

  • Observações Clínicas,
  • Sinais Clínicos,
  • Sintomas,
  • O que é tal doença?  
  • Como identificar uma doença/um problema clínico,
  • Qual é a causa de um problema clínico/doença,
  • Relação entre doenças e Como se transmite.

Como está estruturada a Segunda opinião médica?

A SOF tem uma estrutura definida de conteúdo composta pelos seguintes elementos:

Campo 1 – Pergunta(da teleconsultoria)

Representa a pergunta ou dúvida que foi respondida, sem mencionar nomes de pacientes ou pessoas. 

Deve ser reformulada a partir da dúvida/pergunta da teleconsultoria, o mais direta e curta possível, evitar uso de siglas e formas abreviadas.O tamanho máximo sugerido é 1 linha.

Campo 2 – A resposta direta (resposta direta e sintetizada para a questão clínica, sem preâmbulos)

A resposta à pergunta deve ser apresentada já no primeiro parágrafo. 

A resposta deve ser explicada de acordo com as evidências que a embasam. 

Não deve necessariamente precisar fazer citação de autores na resposta, basta indicar o número da referência da evidência aplicada. 

O texto da resposta pode dividir as informações em subtítulos, se necessário. É muito importante que a linguagem e o conteúdo da resposta sejam apropriados à categoria profissional a qual vai dirigida a resposta.

É possível incluir quadros, tabelas, imagens para facilitar a sistematização da resposta. O tamanho máximo sugerido: 1 página (4 parágrafos).

Campo 3 – Informações complementares e comentários 

É onde são elencados os pontos de atenção, alertas, detalhamentos necessários – magnitude de efeitos, frequências, força da recomendação etc. 

As informações complementares podem vir depois da resposta direta, mas apenas aquelas que ajudam para o entendimento do caso. 

Por exemplo: pontos de atenção, alertas, detalhamentos necessários (magnitude de efeitos, frequências, força da recomendação etc). Tamanho máximo sugerido: 1 parágrafo

Campo 3 – Bibliografia aplicada (Citação dos estudos usados para respaldar a resposta, com o link e data do acesso)

Referências bibliográficas da evidência que embasou a resposta. Devem ser incluídas somente a evidência de fato utilizada, a qual deve ser atualizada, adequada ao contexto do SUS e a de maior grau de evidência disponível. 

A SOF não requer uma revisão da literatura. Uma outra SOF já publicada na BVS APS pode ser citada como referência. 

E sempre que possível indicar o link para o texto completo da evidência citada. Número máximo sugerido: 3 referências

Campo 4 – Profissional solicitante (ex: médico, enfermeiro, dentista, psicólogo, etc)

Categoria do profissional que solicitou a teleconsultoria. Isto significa que a resposta deve ser elaborada com linguagem apropriada (técnica) ao tipo de categoria profissional indicado. 

Exemplo: 

  • Médico, 
  • Enfermeiro, 
  • Dentista, 
  • Agente comunitário, 
  • Gestor, entre outros.

Campo 5 – Temática/assunto

Indicar os descritores e/ou termos que representam a área temática e o assunto da Segunda Opinião Médica:

– Descritores em Ciências da Saúde (DeCS/MeSH)

– Descritores CIAP2 da Classificação Internacional de Atenção Primária.

– Áreas Temáticas

Campo 6 – Responsabilidade/Autoria

  1. Nome completo do Teleconsultor/Telerregulador/ Núcleo Telessaúde 
  2. Responsável pela elaboração da SOF.

Campo 7 – Data da publicação

Data da publicação da SOF na BVS APS. Este dado será gerado no momento de publicação da SOF na BVS APS.

Como são produzidas as SOFs?

O seguinte fluxograma sintetiza melhor a produção e publicação das SOF :

segunda opinião formativa (SOF)

Step 1 Seleção das perguntas, dúvidas clínicas ou dúvidas relacionadas ao processo de trabalho na Atenção Primária à Saúde (APS), originadas de teleconsultorias (assíncrona ou síncrona) atendidas pelos Núcleos de Telessaúde no âmbito do Programa Telessaúde Brasil Redes, e que geraram material escrito.

 A seleção deve ser feita com base na relevância e pertinência da pergunta ou dúvida para APS e Equipes de Saúde da Família do SUS, e as teleconsultorias são selecionadas como potenciais SOF.

Step 2Produção da resposta estruturada pelos Núcleos de Telessaúde, de acordo com os Termos de Referência, com indicação evidência que respalda a resposta (referência bibliográfica). 

É importante evidenciar os resultados e indicações de diretrizes clínicas, revisões sistemáticas e outros estudos de melhor nível de evidência disponível. 

Tanto na pergunta como na resposta, o anonimato (do paciente, da pessoa ou grupo de pessoas envolvidas no caso) deve ser mantido. 

E a resposta deve ser direta, clara e com linguagem e conteúdo adequado ao tipo de profissional que originou a pergunta.

Step 3 – Envio da potencial SOF para BIREME para revisão e validação, com base em critérios de pertinência e relevância para APS, assim como clareza e completude da resposta, e seguimento dos termos de referência definidos.

Step 4 Revisão das potenciais SOF o processo de revisão e avaliação é realizado por consultor com especialidade em Medicina de Família e Comunidade e experiência na APS, externo ao Núcleo de Telessaúde responsável pela autoria da SOF. 

As SOF aprovadas são publicadas na BVS APS. A segunda opinião médica não aprovada ou indicada para ajustes são devolvidas ao Núcleo de Telessaúde responsável.

Step 5– Publicação da SOF –  As aprovadas pelo revisor são indexadas de acordo com o DeCS/MeSH e CIAP2, registradas na base de dados com inclusão de links para outra segunda opinião médica online relacionadas ao tema, e publicadas na BVS APS.

Dúvidas frequentes sobre as SOFs

Principais dúvidas esclarecidas segundo o portal da BVS Atenção Primária em Saúde

Quem produz as SOF?

Todas as SOF são originadas de Teleconsultorias atendidas pelos Núcleos de Telessaúde do Programa Telessaúde Brasil Redes. 

Portanto, são estes Núcleos que produzem as SOF e submeter para avaliação e possível publicação na BVS APS.

Como submeter uma SOF?

Os Núcleos de Telessaúde cadastrados devem enviar a segunda opinião médica através do Sistema Trello. 

Os Núcleos podem solicitar a criação de usuário no Trello para BIREME:   [email protected] ou [email protected]

Toda teleconsultoria pode ser transformada em SOF?

É importante ressaltar que a Segunda Opinião Médica é decorrente de uma Teleconsultoria, mas nem toda Teleconsultoria gera uma SOF. 

Assim, para que uma Teleconsultoria possa ser considerada como uma potencial SOF, ela deve apresentar as seguintes características:

a)Assunto relevante e abrangente à APS, podendo ser de caráter clínico (ex. HAS, DM, asma, DPOC, dengue, puericultura, etc) ou sobre processos de trabalho e legislação (agendamento, legislação ESF, NASF, etc).

  • As questões relacionadas com os problemas comuns de saúde;
  • Relações entre os indivíduos, suas famílias e comunidades;
  • Processo de trabalho das ESF;
  •  Casos clínicos de pacientes e questões de saúde complexas e interdisciplinares são as efetivas candidatas a SOF.

b) Situações de saúde bem definidas, uma vez que é difícil criar uma SOF com situações muito complexas e específicas.

Exemplo: paciente de 53 anos, HAS em uso de tais medicações, com exames tais, devo trocar tal medicamento?

c) Adequação de linguagem para o público que se propõe (ex. médicos, enfermeiros, agentes comunitários de saúde, pacientes).

d) Referências bibliográficas contendo indicação de pelo menos um da APS e uma referência internacional, exceto em questões específicas (ex. NASF). 

Ainda assim, trabalho em equipe multidisciplinar possui muita literatura no exterior. Além disso, referências devem ser atualizadas (últimos 5 anos), e no máximo 4 referências, se possível.

e) Parágrafo inicial curto respondendo a pergunta/dúvida, de forma objetiva e direta; parágrafos complementares ampliando a discussão do assunto, (solicitante lê se quiser), relação com atributos da APS, etc conforme recomenda o Manual de Telessaúde para Atenção Básica (leitura recomendada).

f)  Indicação do grau de evidência e nível de recomendação usando os critérios elaborados pelo Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM). – Nota: este elemento do conteúdo está sendo revisado.

Como disponibilizar a SOF em outros sites?

A BVS APS disponibiliza o serviço de Really Simple Syndication (RSS) feeds, permitindo que as SOF publicadas sejam compartilhadas em outros sites, facilitando assim a leitura atualizada sempre que um novo conteúdo for publicado.

Fica claro com tudo isso que o nosso SUS dispõe de recursos muito valiosos, e que muitas vezes são pouco recordados ou até melhor divulgados.

Quando devidamente associados aos recursos que a telessaúde pode promover, cria importantes ferramentas para a prática clínica como Segunda Opinião Formativa (SOF). 

Sabemos o quando a ASP muitas vezes no amplo território nacional carece de recursos complementares, que ajudem na identificação de condutas,protocolos e investigações, e justamente nesse aspecto que a SOF entra como uma excelente ferramenta de auxílio aos diversos profissionais de saúde.

Ajudando com boas orientações e compartilhamento de conhecimento,esclarecimento de dúvidas nas principais questões recorrentes das práticas de saúde.

Publicado em:21/11/2022
Curtiu o artigo e quer ser colunista?
Cadastre-se para o processo seletivo de colunistas do Portal Inovação Médica e ainda receba as melhores notícias da med.

Deixe um comentário

Artigos Recentes
Continue Lendo